sexta-feira, abril 28, 2006

as certezas

a eterna insatisfaçao
a procura como um fim
o sentir não pertencer aqui
a inexistencia de sempres e nuncas
a certeza do incerto
e a mais evidente de todas.
A certeza do fim que se espera com um fim (ou vários) e por um fim (ou por vários)

9 comentários:

tuBo em cima disse...

certo é
que com fins perto
mais perto a certeza
de (re)começo
de nova pertença
de outra existência
de mais certezas

Yola disse...

Deve ser mesmo verdade o que dizem das grávidas. Ficam mais lentas de pensamento. Tive que ler várias vezes para atingir tudo. Xiças!!!

christine disse...

Parabéns belo bebé! hehehe

Yola disse...

Obrigada. Devias querer dizer "pelo bebé" mas fugiu-te a boca para a verdade e disseste "belo bebé". Ah pois é! É um belo bebé. Sai à mãe. E tem os olhos azuis do pai. Pelo menos foi o que eu preenchi na requisição. E as covinhas da mãe, claro. Isto tudo porque saúde e perfeição não lhe vão faltar que eu não deixo.

christine disse...

e que também n lhe falte o sentido de humor da mummy! hehehe

mainobo disse...

Tenho a certeza de existir. Não tenho a certeza de insistir. De procurar. Talvez devesse combater a inércia de me deixar viver e ser proactivo na procura de certezas e respostas. Não é fácil ter certeza de que queremos algo definitivo. Não é fácil ter certeza de que definitavemante não queremos algo.

tuBo em cima disse...

e existem "definitivos"!?!?!?!?

ML

mainobo disse...

Actualmente não sei, mas quando andava no secundário havia uns cigarros chamados "definitivos". Não tinham filtro e eram mais finos que os normais... :)

tuBo em cima disse...

a existir, só sendo mesmo os cigarros eheheh! mas essa é quase parecida com a teoria que eu tenho de uma das minhas flores preferidas, os amores-perfeitos. Só mesmo em flor, porque assim de resto acho muito dificil que de facto existam :-)
quanto ao combate à inercia e à vontade de deixar de existir tão somente... percebo-te perfeitamente